• O que os divórcios têm me ensinado sobre o casamento

    by  • 19/03/2013 • Casal • 9 Comments

    Casal mais velho, casados de mãos dadas.

    Ao longo desses meus quatro anos de casamento, alguns casais de amigos meus se separaram. Para uns, a coisa foi feia, teve briga, escândalos, decepções e essas coisas traumáticas. Com outros, foi amigável: acabou a vontade de continuar juntos e cada um foi para um lado sem perder a amizade.

    Cada caso me faz pensar. Não só no meu relacionamento, mas no conceito do casamento.

    Cresci na igreja, onde casamento é tratado como coisa séria – e talvez séria demais. A gente aprendia (e estou citando as palavras que ouvi) que namorar tem que ter como finalidade casar e que casamento tem que dar certo de qualquer jeito. Separar é considerado um fracasso de tentativas.

    Alguns dos meus amigos que passaram por um divórcio são da igreja também, e me pareceu que um dos motivos foi que, depois de namorarem tanto, a “coisa certa” a fazer era casar. No dia a dia, a convivência e as expectativas do que cada um espera do outro (normalmente altas, principalmente em relação aos papéis que cada um acha que uma boa esposa ou um bom marido tem que cumprir, que são diferentes dos papéis de bom namorado e boa namorada) começaram a pesar e, em pouco tempo, o casamento passou a ser uma frustração.

    Houve outras separações por outros motivos. Casamentos que foram virando amizades sem paixão, gente que mudou e não se encaixava mais naquele relacionamento, gente que quis algo (ou alguém) diferente.

    Escrevo tudo isso não para condenar ninguém, nem para dizer qual é a fórmula do sucesso ou ainda para dizer que o meu casamento é diferente, mais forte, mais certo. Muito pelo contrário.

    Em vez de me deixar levar por aquela atitude meio arrogante que vem nos tentar a cada notícia de divórcio, pensando “eu faço meu casamento dar certo, eles devem ter feito algo errado”, ou “comigo isso não vai acontecer”, percebi que meu casamento é tão real como qualquer outro.

    Não é frágil, porque é construído sobre bases fortes de amor, confiança, respeito e admiração. Mas não há garantias de que vai dar certo sempre: se a gente deixar de cuidar e cultivar, se deixar de ter motivos para dividir a cama no fim do dia, pode vir a não fazer mais sentido…

    Acho que o que estou tentando dizer é que percebi que o casamento é construído dia após dia, requer cuidado, cultivo e dedicação, e não pode ser considerado um “ponto final”.

    Penso que separar não é, de maneira alguma, um fracasso. É uma decisão para aqueles para os quais ficar junto não traz mais nada de bom e pode ser a melhor decisão a ser tomada para o casal parar de se fazer mal.

    Afinal, um casamento que “dá certo” não é aquele em que duas pessoas estão presas uma à outra, sem “desistir” nem “sucumbir” ao divórcio, mas aquele em que a gente fica porque quer estar juntos.

    E é isso que busco manter e nutrir no meu casamento: a vontade de estar juntos hoje e amanhã, de agregar coisas boas à vida do meu marido, de fazê-lo feliz e de receber isso tudo de volta.

    Quero chegar aos 80 anos de casada não como quem ganha uma árdua prova de resistência, mas porque houve motivos durante 80 anos para continuar juntos

    Foto: Inmagine.

    About

    Já queimei arroz, mas hoje faço o melhor molho à bolonhesa da cidade!

    9 Responses to O que os divórcios têm me ensinado sobre o casamento

    1. Anelise
      19/03/2013 at 7:28 am

      Ei Cíntia! Gostei do seu texto. Penso que o que faz um casal permanecer casado é o compromisso. Venha o que vier, aconteça o que acontecer, estamos juntos. Completei 14 anos de casada no último dia 13 e concluo que o casamento, à medida que o tempo passa, vai ficando melhor….. Isso porque aprendemos a conviver, a suportar, a relevar, a renunciar, a ceder, etc. E também aprendemos a perdoar e a pedir perdão, a servir, a surpreender, a não deixar cair na rotina e por aí vai…. Existe aquela frase: o amor é como uma flor: tem que cuidar, senão, murcha. Que seja assim com você também!

    2. Cíntia Costa
      19/03/2013 at 7:56 am

      Oi, Anelise! Parabéns, 14 anos é uma trajetória e tanto!!

    3. 19/03/2013 at 8:25 am

      Excelente ponto de vista Cíntia! Para mim, faz todo sentido!

    4. 19/03/2013 at 9:06 am

      Oi Cintia!
      Acho que muita gente se casa porque tem de cumprir essa fase da vida, sabe como são os julgamentos? Tem de casar, tem de ter filho, tem isso, tem aquilo, e simplesmente não entendem que não é condição de sucesso na vida.

      Outros, como você disse, não conseguem manter o sonho frente as verdades do dia a dia. Diz minha terapeuta que ainda bem que é difícil separar, porque se não ninguém ficava casado. Eu não sei se é por aí, mas também acho que não pode ser fácil e se for fácil demais existem problemas.

      A relação tem de ser boa para os dois, tem de trazer felicidade, se não vira muleta.

    5. Brunna Rezende
      19/03/2013 at 11:27 am

      Excelente texto, disse muita coisa em poucas e sábia palavras. Realmente nem sempre é fácil continuar junto pelo simples fato de querer ficar junto… É uma tarefa longa.
      Gosto muito do seu blog, você me inspira e acaba sendo um exemplo!

    6. 19/03/2013 at 2:39 pm

      ai, Cintia…
      E a moça solteira aqui, que conseguiu driblar o tem que casar se emocionou. Não é só casamento que exige esse tanto de compromisso da gente, né?
      Lindo texto, parabéns.

    7. Babi
      19/03/2013 at 3:40 pm

      Cintia,
      Depois que o Marcos se acidentou, repensei tanta coisa em relação à casamento! E concluí exatamente isso: que casamento tem que valer a pena, tem que ser bom pros dois, é preciso construir uma parceria bonita e feliz, pro relacionamento fazer sentido. Acho lindo isso!
      E penso que essa parceria, construída ao longo de tantos anos, é que sustentou meu casamento depois do acidente. Não é devoção nem submissão, mas sim, amor e vontade de continuar junto. Só isso. :)

      beijo e parabéns pela reflexão.

    8. Thais Ramos
      25/03/2013 at 12:09 pm

      Que lindas palavras!
      Eu concordo em muita coisa… sou quase phd na teoria! rs…
      Ainda estou à espera daquele que me fará colocar muito disso em prática… e sei que no dia a dia é muito diferente! Mas me espelho em estórias assim pra trilhar meu caminho!
      Bjo!

    9. Pingback: Ciúmes no casamento, quem nunca? | Recém-casada

    Leave a Reply

    Your email address will not be published. Required fields are marked *